O Laboratório Alvaro está de cara nova!

Deseja tornar este perfil sua página inicial quando acessá-lo novamente?

X

Atendimento ao Cliente:

Notícias

Pesquisa comprova: obesidade faz pessoas desacelerarem

A A

Fabiano Sandrini, responsável médico e endocrinologista do Laboratório Alvaro, fala sobre estudo 

As mulheres que lutam com obesidade crônica se envolvem em menos atividade física rotineira, mostra uma nova pesquisa, confirmando o que pode parecer óbvio para alguns. Fabiano Sandrini, endocrinologista e responsável médico do Laboratório Alvaro, comenta que, apesar de rumores, este é o primeiro estudo a estabelecer com rigor o que a maioria dos cientistas há muito tempo já presume: que a obesidade de fato tem um impacto negativo sobre hábitos de atividade de um indivíduo.

“Este estudo, relatado na revista Obesity, investigou os fatores que aumentam o risco de obesidade, como as doenças crônicas. No entanto, a inatividade física também está associada, de forma independente, com muitas destas enfermidades. Por isso também foram pesquisados os fatores que influenciam os níveis de atividade”, diz.

A pesquisa mostra que a inatividade física e a obesidade podem estar envolvidas em um ciclo, em que os níveis mais baixos de atividade levam ao ganho de peso e, consequentemente, a graus ainda mais baixos de exercícios.

Sandrini destaca que, para explorar como a obesidade pode diminuir os níveis de atividade entre as mulheres, os autores fizeram testes em 250 pessoas do sexo feminino de meia-idade. “Cerca de metade das participantes foram diagnosticadas como obesas. A equipe anexou acelerômetros amarrados a todas as participantes do estudo e deu orientações a serem seguidas. Isto permitiu com que os pesquisadores pudessem avaliar o tempo total gasto com atividade física moderada ou vigorosa”, explica.

E continua: “entre as participantes obesas, a atividade física caiu 8% do total de horas praticadas, ao longo do período de estudo de 20 meses. Isso equivale a uma perda de 28 minutos ativos por semana, disseram os pesquisadores. Já nas mulheres não obesas, não foi apontada uma diminuição nas rotinas de atividade física”, destaca.

Esta descoberta, segundo o médico, aponta que, por mais simples que pareça, é de extrema importância manter um estilo de vida ativo e um peso saudável. "Parece óbvio, mas não é. Sabemos que a obesidade está claramente relacionada a um comportamento mais sedentário. Certamente, quando você se torna obeso, é mais difícil de mover o corpo. Por isso, este estudo reflete o que no fundo já sabemos: que é preciso se exercitar e manter hábitos saudáveis para conseguir emagrecer e manter o peso”, afirma.