Atendimento ao Cliente:

  • Cascavel: (45) 3220 - 8000
  • Foz do Iguaçu: (45) 3574 - 1010

Notícias

29 de agosto é o Dia Nacional de Combate ao Fumo

A A

Selmo Minucelli, oncologista e hematologista do Laboratório Alvaro, faz um alerta sobre os malefícios do tabagismo 

 

Considerado pela comunidade médica uma doença gravíssima e um problema de Saúde Pública, o tabagismo atinge cerca de 1,3 bilhão de pessoas em todo o mundo, o que representa mais de 15 bilhões de cigarros consumidos diariamente. Neste 29 de agosto, comemora-se o Dia Nacional de Combate ao Fumo e, mais uma vez, autoridades e entidades de todo o país concentram esforços em campanhas de conscientização.

Para Selmo Minucelli, oncologista e hematologista do Laboratório Alvaro, o cigarro chega a matar hoje, nos países em desenvolvimento, mais que a soma de outras causas evitáveis de morte, tais como o uso de cocaína, heroína, álcool, acidentes como incêndios, suicídios e até o vírus da AIDS.

O tabagismo é causa de grandes prejuízos às pessoas e à sociedade. A principal doença relacionada ao tabagismo é o enfisema pulmonar, classificado como Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica . DPOC, mas o fumante pode chegar a sofrer até um acidente vascular cerebral (derrame cerebral), ter impotência sexual, complicações do coração, câncer de cordas vocais, língua, boca e faringe. .Estas são importantes e frequentes patologias associadas ao fumo e que muitas vezes, ao serem extirpados, por conta de sua malignidade e extensão, mantêm o paciente respirando via traqueostomia., reforça o especialista.

Minucelli salienta que o tabagismo é responsável pelo câncer de pulmão e é a mais frequente causa de câncer de brônquios, que mais mata pessoas no mundo. Por atingir diretamente os vasos, atua no aumento do colesterol total, aumentando a fração ruim (LDL) e diminuindo a fração boa (HDL). .Assim, não há como não relacionar o tabagismo à incapacidade e ao elevado risco de morte em pessoas jovens., afirma o médico.

Para o especialista, há muitas sugestões para diminuir esse uso, tais como o aumento de preços do cigarro, dificultando a aquisição. Ao mesmo tempo, as medicações disponíveis para o tratamento de interrupção do tabagismo poderiam ser mais acessíveis, de menor preço, para que se atingisse maior número de dependentes. As propagandas poderiam até ser completamente proibidas. .Assim, conseguiríamos resultados mais concretos diminuindo muito as doenças que o tabagismo acarreta e à sociedade., conclui.

Fumo e saúde

Responsável por 75% dos casos de bronquite crônica.

80% dos casos de enfisema pulmonar.

80% dos casos de câncer de pulmão.

25% dos casos de infarto agudo do miocárdio.

Riscos de 100 a 800% (8 vezes mais) de contrair infecções respiratórias, câncer de laringe, boca, esôfago, pâncreas, rim, bexiga, aterosclerose, acidente vascular cerebral, tromboangeíte obliterante e aneurismas de aorta.

Quanto maior o número de anos de tabagismo, mais elevada a mortalidade.

Quanto mais cedo começa, maior o risco.

O risco de câncer nos ex-fumantes está diretamente relacionado com o número de cigarros /dia e anos de tabagismo.

Há considerável diminuição da expectativa de vida. Se o início se dá antes dos 15 anos, a mortalidade é 2 a 3 vezes maior que os não-fumantes da mesma idade.

A nicotina faz dependência por atuar no sistema nervoso. O monóxido de carbono prejudica a oxigenação, inclusive do miocárdio (músculo do coração). Diminuindo a oxigenação, favorece o depósito de gordura nas artérias.

Aumento do colesterol total e fração LDL (mau colesterol), diminuição do HDL (bom colesterol).

Após fumar um cigarro, observa-se aumento do ritmo cardíaco, aumento da pressão arterial, vasoconstrição periférica. Isto, continuamente, obriga o coração a maior esforço.

O fumo tem mais de 4770 substâncias tóxicas, sendo 60 substâncias sabidamente cancerígenas, como o alcatrão. Outras substâncias presentes são consideradas co-carcinogênicas, como arsênico níquel e cádmio. Há elementos radioativos como polônio-210 e carbono-14.

Além disso, ocorrem injúrias comprovadas no DNA. O risco de câncer é de 4 a 14 vezes maior do que no não-fumante.