O Laboratório Alvaro está de cara nova!

Deseja tornar este perfil sua página inicial quando acessá-lo novamente?

X

Atendimento ao Cliente:

  • Cascavel: (45) 3220 - 8000
  • Foz do Iguaçu: (45) 3574 - 1010

Notícias

Clima seco e variação de temperatura

A A

Como cuidar da saúde do seu estômago

Especialista do Laboratório Alvaro alerta para os perigos escondidos em alguns hábitos de quem passa o dia todo fora de casa

Na correria do dia a dia, nem sempre conseguimos cortar alguns hábitos que sabemos ser prejudiciais à saúde. Vários cafezinhos no trabalho e muitas horas sem comer entre uma refeição e outra são alguns exemplos. O problema é que, com o passar dos anos, esses maus costumes podem prejudicar a saúde, principalmente a do estômago.

Segundo Décio Chinzon, especialista em gastroenterologia que integra o corpo clínico do Laboratório Alvaro, é importante lembrar que os problemas digestivos podem levar até mesmo anos para aparecer. Então, mesmo que o indivíduo se sinta bem ficando mais de 10 horas seguidas sem comer, com o passar dos anos seu corpo poderá pagar um preço alto por esse comportamento.

“A saúde do estômago depende de vários fatores. Além de uma alimentação regrada, que evite produtos ricos em gordura e contemple verduras e legumes, é preciso fazer pequenos lanches entre as refeições, como uma fruta, por exemplo. Além disso, devemos lembrar que o estresse sensibiliza o aparelho digestivo. Por isso é importante procurar atividades que diminuam a ansiedade e o nervosismo”, destaca o médico.

O consumo de alguns medicamentos com frequência também pode afetar a saúde digestiva. Os antiinflamatórios e o ácido acetilsalicílico, por exemplo, podem aumentar a acidez estomacal e causar mal-estar. “Mas vale ressaltar que, antes de parar qualquer tratamento, um médico deve ser consultado”, lembra o especialista.

Outro hábito que pode levar a problemas estomacais é tomar vários cafés ao longo do dia. “Quando consumida moderadamente, a cafeína não prejudica o sistema digestivo. Entretanto, quando em excesso, ela pode aumentar a produção de ácidos digestivos, sendo mais prejudicial ainda para quem já apresenta alguma doença no trato digestivo”, afirma Chinzon.