O Laboratório Alvaro está de cara nova!

Deseja tornar este perfil sua página inicial quando acessá-lo novamente?

X

Atendimento ao Cliente:

  • Cascavel: (45) 3220 - 8000
  • Foz do Iguaçu: (45) 3574 - 1010

Notícias

Infectologista faz alerta sobre riscos de doenças ligadas à água contaminada

A A

Infectologista faz alerta sobre riscos de doenças ligadas à água contaminada
Tema é debatido neste 22 de março, Dia Mundial da Água

Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), a falta de saneamento básico, aliada ao uso inadequado da água na agricultura, são as principais ameaças às reservas de água doce do planeta. No intuito de promover ações coordenadas e aumentar a consciência sobre a importância da proteção e do gerenciamento da água, a Assembleia Geral da ONU instituiu, em 22 de março de 1993, o Dia Mundial da Água e proclamou o período de 2005 a 2015 como a Década Internacional da Ação sobre o tema “Água, Fonte de Vida”.

A crise causada pela falta deste recurso tem sido um dos temas mais debatidos no Brasil. Segundo Jaime Rocha, infectologista do Laboratório Alvaro, o acesso à água tratada e a gestão dela é essencial para a sobrevivência da espécie humana, não somente para prevenir a morte por desidratação, mas também para reduzir o risco de doenças relacionadas com a água contaminada, promover as necessidades básicas de higiene e ainda na preparação e consumo dos alimentos. 

Rocha elenca que as doenças transmitidas por ingestão de água e de alimentos contaminados são a diarreia, de uma forma geral, com destaque para a diarreia dos viajantes, hepatite A, verminoses, cólera, febre tifoide e poliomielite. O especialista explica que essas enfermidades são transmitidas através da ingestão de líquidos ou alimentos contaminados com vírus, bactérias ou parasitas. Os principais sintomas são febre, mal estar, náuseas, vômitos e diarreia.

No caso de viajantes, os cuidados que devem ser observados para não adquirir estas doenças são: usar somente líquidos engarrafados ou enlatados abertos na hora do consumo, não ingerir sucos naturais ou outras bebidas com gelo em locais duvidosos, preferir alimentos assados e cozidos, não ingerir carnes cruas ou mal assadas, preferir as frutas que possam se descascadas, lavar as mãos antes e após preparo de alimentos ou refeições, observar a higiene nos locais de preparo dos alimentos, evitar alimentos produzidos com ovos crus, como maionese e mousses. 

Além disso, é indicado fazer a vacina para a hepatite A de uma forma universal e, para os viajantes, considerar a vacina contra febre tifoide e cólera.  “Se apresentar algum sintoma, mantenha a ingestão de líquidos e procure a assistência médica”, reforça o infectologista.