Atendimento ao Cliente:

  • Cascavel: (45) 3220 - 8000
  • Foz do Iguaçu: (45) 3574 - 1010

Notícias

O diagnóstico do HPV

A A

As explicações são de Thiago Guerino, assessor científico do Laboratório Alvaro

O HPV (Papiloma Vírus Humano) é considerado a mais difundida doença sexualmente transmissível e a principal causa do câncer de colo de útero, vagina e vulva. A presença dos tipos 16 e 18 do vírus, considerados de alto risco oncológico, tem sido detectada em aproximadamente 70% dos casos de câncer do colo e os tipos 6 e 11, avaliados como de baixo risco oncológico, são responsáveis por 90% dos casos de verrugas genitais.

Thiago Guerino, assessor científico do Laboratório Alvaro, explica que, com as técnicas moleculares, é possível diagnosticar o paciente infectado de acordo com o risco para o desenvolvimento de câncer por diferentes metodologias. Um destes testes, conhecido como Captura Híbrida, funciona como uma triagem e permite classificar os tipos de HPV em 2 grupos, de alto (A) e baixo (B) risco para o desenvolvimento de câncer cervical. “O grupo A possui sondas para detecção dos tipos de alto risco (16, 18, 31, 33, 35, 39, 45, 51, 52, 56, 58, 59 e 68) e o grupo B aquelas capazes de identificar os tipos de baixo risco (6, 11, 42, 43 e 44)”, revela o especialista.

Já um outro exame, conhecido como Detecção de HPV de Alto Risco, usa sondas específicas marcadas com fluorescência e detecta a presença de quatorze tipos de alto risco oncológico e adicionalmente diferenciando à presença dos tipos 16 e 18, por meio de uma técnica de PCR em tempo real. Por fim, existe a Tipagem para HPV por Microarray, que consiste em um painel para a pesquisa de 35 tipos de HPV mais relevantes clinicamente, tanto de baixo como de alto risco ao desenvolvimento de câncer, sendo que este teste é capaz de diferenciar individualmente a presença de cada tipo de HPV, nos mais diferentes tipos de amostra biológica.

HPV
A maioria das pessoas adquire o HPV nos primeiros três anos em que passa a ter relações sexuais. No caso das mulheres, 46% entram em contato com o vírus nos dois primeiros anos de vida sexual ativa; já 60% dos homens entram em contato nos três primeiros anos. O uso de preservativos é uma das principais recomendações, já que se trata de um vírus altamente contagioso. Tanto que, desde 2014, o Ministério da Saúde está vacinando meninas de 09 a 11 anos.

Os homens também estão propensos a desenvolver as doenças decorrentes da infecção pelo HPV, que podem aparecer em forma de verrugas genitais, câncer de ânus, câncer de laringe e câncer de pênis. “Portanto, os homens também devem se preocupar com a prevenção e diagnóstico”. Segundo o especialista, o contato sexual é a maneira mais comum de contágio, incluindo o sexo oral e as chamadas “preliminares”. Isso porque somente o simples atrito da mão, boca ou genitais com a mucosa infectada já é suficiente para contaminação pelo vírus.

Além disso, por ser uma doença silenciosa, que na maioria das vezes não apresenta sintomas, é muito importante se precaver de todas as formas e consultar regularmente um especialista para realizar exames periodicamente.

Como reduzir o risco de contágio pelo HPV genital?

- Reduzir o número de parceiros sexuais - quanto maior o número de parceiros, maior o risco de contrair e/ou transmitir qualquer DST;

- O uso do preservativo é imprescindível, mas no caso do HPV não é suficiente, pois o vírus pode estar alojado também na periferia da área genital e fora do alcance do preservativo;

- Se houver suspeita de que o parceiro sexual tenha qualquer DST é altamente recomendável consultar o médico. Até que isto seja feito, também é recomendável abster-se das relações sexuais com este parceiro, até que o tratamento seja realizado, se for o caso;

- Não compartilhar objetos de uso íntimo com outras pessoas e fazer higiene de objetos de uso comum (como toalha e vaso sanitário);

- Vacinar-se antes do início da vida sexual. A idade recomendada é dos 9 aos 26 anos.

 

Sobre o Laboratório nbsp;Alvaro

Com 47 anos de atuação o Laboratório Alvaro é referência no segmento de exames laboratoriais na região Oeste do Paraná, garantindo ampla cobertura em Cascavel e Foz do Iguaçu, com 14 unidades de atendimento. O Alvaro também é referência nacional em apoio diagnóstico para cerca de cinco mil laboratórios em todo o país. Possui mais de 600 colaboradores e oferece mais de 1,7 mil tipos de exames de análises clínicas. Mais informações no site www.laboratorioalvaro.com.br .

 

Laboratório Alvaro
Assessoria de Imprensa - Curitiba
Talk Assessoria de Comunicação
Karin Villatore
Mtb 2815
(41) 3018-5828 / 9963-4250/ 9681-7075
karin@talkcomunicacao.com.br
www.talkcomunicacao.com.br
www.twitter.com/talkcomunicacao
talkcomunicacao.wordpress.com
http://www.facebook.com/TalkAssessoriaDeComunicacao